arquitetura

casa AF

O projeto desta casa em Brasília teve duas principais prerrogativas: o aproveitamento do terreno e a acessibilidade. Tudo indicava que a casa deveria estabelecer-se em dois pavimentos, devido à declividade. Entretanto, os clientes não desejavam escadas extensas, visando uma futura dificuldade de locomoção.

O programa estabeleceu-se, então, em dois principais blocos, que acompanharam a declividade da rua da seguinte forma: mais acima, o primeiro abrigou toda a área íntima, com suas três suítes, sem comunicação com a rua. Já o segundo, serviu de acesso tanto social quanto de serviço, abrigando cozinha, lavanderia, dependências de empregada, salas de estar e jantar e varanda.

Esta configuração possibilitou que os diferentes volumes ficassem apenas levemente desnivelados a meia altura e que a varanda não ficasse muito alta em relação ao fundo do terreno.

Com programas distintos, os volumes diferenciam-se também na estética. Enquanto a área íntima teve arquitetura mais sólida e concisa, o volume social e de serviços foi caracterizado pela leveza das estruturas que, em grande balanço, flutuaram sobre o jardim.

Os quartos também se mantiveram mais preservados, voltando-se apenas para a fachada lateral, enquanto as salas privilegiaram a transparência das fachadas, com bastante amplitude visual para o terreno. Apesar das diferenças, os blocos encaixaram-se em perfeita harmonia entre si e em relação ao terreno.

arquitetura |

Luiza Landim

​local |

Brasília, DF

data |

2016

imagens |

Luiza Landim